ESG deve ser parte da cultura e pode ser cuidado pelo RH e Comunicação, explica diretora do GPTW

por | 05/07/2021 | RH, Talks

Uma das siglas mais comentadas no momento é a ESG (Environmental, Social and Governance – ambiental​, social e governança, em português). De acordo com o Google Trends, o interesse pelo termo ESG atingiu, em 2021, o nível mais alto em 16 anos. A procura neste ano já é quatro vezes maior do que a média de 2020 e 13 vezes superior ao comparar com 2019.

Não só a busca para entender ESG vem crescendo ao longo dos anos, mas a cobrança para que as empresas olhem para esses aspectos com mais atenção. A “pressão” pelo assunto vem de vários lados, principalmente de cima, como comprova a pesquisa realizada pela Talenses Executive:

  • 28% – Acionistas ou investidores;
  • 28% – Sociedade engajada de forma geral;
  • 21% – Obrigações regulatórias de determinados investidores e/ou setores de atuação;
  • 19% – Liderança da empresa;
  • 4% – Colaboradores.

E como todo tema que movimenta o mercado, surgem muitas dúvidas e mitos a respeito. Afinal de contas: como o ESG se aplica na prática? Como começar a fazer? É só para grandes empresas? 

Essas e outras dúvidas foram esclarecidas no quinto episódio do Dialog Talks, que contou com a participação da Diretora de Conteúdo e Relações Institucionais no Great Place to Work, Daniela Diniz. 

Você pode assistir o programa na íntegra clicando no play abaixo.

Uma breve explicação sobre ESG

ESG representa um conjunto de práticas aplicadas nas categorias ambientais, sociais e de governança corporativa. São os princípios que devem nortear a empresa. 

“São três elementos que avaliam o impacto da sustentabilidade do negócio ou da empresa e seu próprio investimento. Social avalia relações de trabalho, aspectos de confiança, de ética no trabalho e de diversidade. Aspectos de governança, em que a gente fala em ter um conselho independente, também entram as questões de ética e confiança. E os aspectos ambientais com todo o impacto do negócio nas questões relativas ao meio ambiente”, detalha Daniela Diniz.

A diretora do GPTW ainda comenta que o ESG – para os investidores – é um medidor de sustentabilidade nas três categorias, mas também “é um indicador importante para avaliar mais do que o ganho, o risco”.

Quem cuida de ESG?

ESG deve fazer parte da cultura da empresa. O pontapé varia de acordo com as organizações: existem aquelas que criam um departamento ESG, outras inserem a demanda em RH, Comunicação Interna, Marketing ou até mesmo criam uma equipe com profissionais de vários departamentos.

E para inserir o tema na cultura corporativa, é preciso envolver as pessoas. “Se você não treina, se não desenvolve as pessoas sobre isso [ESG], não consegue ter uma cultura. Aí não importa a estrutura, o mais importante é que faça parte do DNA, do valor da empresa”.

Para a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) e a Rede Brasil do Pacto Global, uma empresa que quer ser ESG precisa:

No próximo artigo sobre ESG, Daniela Diniz conta se a digitalização pode ajudar na estratégia, qual o papel de RH e CI no tema e, por fim, como a diversidade conversa e impacta o ESG.

Gostou do conteúdo? Continue acompanhando o hub de conteúdo da Dialog!

PS: Conheça recursos indispensáveis para times de Comunicação e RH. Com o App Dialog você agenda conteúdos, segmenta comunicados em poucos passos, analisa rapidamente os resultados e muito mais. Tudo em um único lugar! Fale com nossos consultores e entenda como melhoramos o nível de engajamento do colaborador.

Assinatura Marcela hub nova

Comentários

1 Comentário

  1. PEDRO SILVA DE ALMEIDA

    Muito bom

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossas novidades
no seu e-mail